a
a
HomeTextos e HistóriasDiscurso do Respeitab. Ir. Peter Lowndes, Pro-Grão-Mestre da UGLE, em setembro de 2017, em Hanôver

Discurso do Respeitab. Ir. Peter Lowndes, Pro-Grão-Mestre da UGLE, em setembro de 2017, em Hanôver

Na celebração principal das Grandes Lojas Unidas da Alemanha, em Hanôver, por ocasião dos 300 anos da Maçonaria Moderna, discursou o Pro-Grão-Mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra, Respeitab. Ir. Peter Lowndes. Ele fez seu discurso em Inglês e publicamos aqui uma tradução realizada pelas Grandes Lojas Unidas da Alemanha para o idioma Alemão, com a nossa tradução livre para o Português.

“Caro Senhor Prefeito, Caro Grão-Mestre, Senhoras e Senhores, Caros Irmãos,

Estou muito satisfeito por poder participar desta celebração especial, e trago os mais sinceros cumprimentos fraternos do meu Grão-Mestre, sua Alteza Real, o Duque de Kent.

Além do fato de que este ano estamos comemorando o 300º aniversário da fundação da nossa Grande Loja, é o 50º aniversário de sua Soberania Real no Gabinete do Grão-Mestre. Sua Instalação foi o ponto focal do 250º aniversário do ano da fundação em 1967. Em tempos difíceis para a Grande Loja Unida da Inglaterra, seu sábio conselho e orientação foi imensamente valioso, e estamos ansiosos para o futuro sob sua orientação.

Ficamos positivamente surpreendidos e profundamente satisfeitos com o grande interesse que provocou a celebração de 300 anos entre as 198 Grandes Lojas Regulares que reconhecemos em todo o mundo. Fomos tocados pelo fato de que algumas das nossas Grandes Lojas coirmãs, incluindo o seu mais Venerável Grão-Mestre, consideram este aniversário como um marco e o celebram através de festividades apropriadas em suas respectivas Jurisdições. Estamos, portanto, ansiosos para receber muitos representantes de nossas Grandes Lojas coirmãs em 31 de outubro, quando celebraremos o aniversário da Grande Loja com uma reunião especial.

Este encontro demonstrará como a Maçonaria Universal é, e como ela harmoniosamente reúne pessoas de todo o mundo, independentemente da raça, religião ou convicção política.

Mas o que estamos comemorando? Hoje não é a ocasião, nem há tempo suficiente para discutir as questões ainda sem resposta: quando; como; por que, e onde a Maçonaria se originou. Geralmente, aceita-se que os aniversários e a localização da Maçonaria organizada datam de 24 de junho de 1717, em Londres, onde os membros de quatro Lojas independentes na Goose and Gridiron Tavern, perto de St. Pauls, se tornaram uma Grande Loja. Dos (Veneráveis) Mestres presentes, eles escolheram Anthony Sayer, como seu Grão-Mestre e nomearam dois Grandes Vigilantes.

Infelizmente, há poucos testemunhos desta primeira reunião da Grande Loja. Isso não mudou até a nomeação de um Grande Secretário em 1723. Desta vez, as atas das reuniões trimestrais da Grande Loja foram registradas. A partir de 1720, temos provas de que esta Grande Loja era um órgão regulador. A nomeação do primeiro Grão-Mestre “nobre” em 1721, o duque João II de Montagu, criou uma certa percepção pública da Maçonaria, que resultou em um número cada vez maior de Lojas. Por volta de 1730, a Grande Loja registrou cerca de 100 Lojas em seus livros. Ela tinha jurisdição nas Províncias e estabeleceu a Maçonaria no exterior como fundadora em Espanha e Calcutá em 1729.

Em 1725, uma Grande Loja irlandesa seguiu a inglesa e, em 1736, eles foram complementados pela Grande Loja da Escócia. Juntas, o que chamamos atualmente de “Home Grand Lodges”, a Maçonaria nasceu no mundo.

De fato, a propagação da Maçonaria nos Séculos XVIII e XIX reflete a expansão do Império Britânico. A partir de 1730, a Maçonaria britânica no continente europeu se desenvolveu através dos esforços dos Grão-Mestres que nomearam “Grão-Mestres Provinciais” em várias partes da Europa para iniciar este processo. Se você olhar para o local da nossa reunião, podemos dizer que o primeiro Grão-Mestre Provincial, chamado para o continente europeu em 1730, foi o Irmão de Du Thom, em Hanôver.

Em 1751, uma rival do Grande Loja de Londres apareceu na Inglaterra. Isso foi realizado por alguns Maçons irlandeses que tinham sido recusados a entrar em Lojas organizadas sob a primeira Grande Loja. Eles se viram como guardiões das antigas instituições, acusando as antigas Lojas (inglesas) de abandonar os princípios originais.

Por esse motivo, chamamos de Grande Loja dos Antigos. As duas Grandes Lojas rivais existiram lado a lado na Grã-Bretanha e no além-mar por 60 anos sem se reconhecer e a seus membros. Em 27 de dezembro de 1813, após quatro anos de negociação, elas selaram sua reunião como “United Grandlodge of England” – Grande Loja Unida de Inglaterra.

Este acordo foi um ponto de mudança na Maçonaria inglesa. Aproveitou-se a hora para introduzir uma série de padronizações que ainda definem a base da administração do “Ofício” e a organização dos diferentes níveis. De 1813 a 1950, a Maçonaria inglesa cresceu em casa e no exterior e se tornou uma parte importante da sociedade inglesa.

Com a mudança social e econômica que resultou da Revolução Industrial e do crescimento da classe média profissional, a adesão às Lojas maçônicas era um símbolo de seu próprio status social. É por isso que a Maçonaria inglesa na época era uma instituição muito aberta na Inglaterra. A sobreposição em diferentes níveis foi regularmente relatada nos jornais locais e nacionais e, a partir de 1870, surgiram dois jornais maçônicos semanais. Os Irmãos então apareceram com seus paramentos e joias nos desfiles e festivais públicos e, muitas vezes, os Irmãos locais foram convidados a colocar as “pedras fundamentais” para congregações, igrejas e monumentos em uma cerimônia maçônica. Os maçons, então, não eram apenas conhecidos em suas Lojas, mas muitas eram vezes também uma parte visível da vida pública.

Em contraste com muitas outras partes da Europa, a Maçonaria inglesa (e escocesa e irlandesa) não sofreu nenhuma forma de interferência do Estado e nunca foi submetida a fortes movimentos contrários. Foi percebida como uma parte respeitável da vida pública, cujos membros contribuíram significativamente para o bem-estar dos desfavorecidos de suas comunidades através do seu compromisso social.

Mas essa percepção mudou na década de 1930, quando os governos fascistas da Itália, da Espanha e da Alemanha propagaram cada vez mais a propaganda antimaçônica. A Maçonaria inglesa continuou a se mover para dentro durante a guerra e a atenção da mídia diminuiu. Após o fim da guerra, quando a sociedade civil tentou retornar à normalidade, a Maçonaria inglesa permaneceu intacta e retirou-se da atenção pública.

A estratégia de não buscar a atenção da mídia foi inicialmente a política preferida. Mas nos anos 60 e 70, a paisagem da mídia inglesa mudou e adotou uma atitude menos respeitosa em relação às organizações estabelecidas. Devido à estratégia restrita da Grande Loja, a imprensa inglesa dos tabloides ao longo dos anos contribuiu para a Maçonaria ser percebida como uma vasta e opaca rede de proporções mafiosas, afetando todos os aspectos da vida.

Este desenvolvimento culminou em 1984, quando um desses jornalistas publicou um livro no qual, pela primeira vez, todas as formas de antimaçonaria foram introduzidas. Durante os próximos 18 meses, quase nenhum dia se passou sem um artigo sobre a Maçonaria.

Com o grande apoio do Grão-Mestre e da Junta de Propósitos Gerais, o antigo programa foi revisado e substituído por uma campanha de informação que forneceu ao público fatos sobre a Maçonaria para pôr fim aos rumores e blasfêmias.

Este processo longo e difícil agora começa a dar resultados. A mídia local agora está relatando eventos interessantes sobre acontecimentos regionais na Mauritânia. As mídias nacionais nos ignoram na maior parte, e este ano conseguimos relatar alguns artigos positivos na imprensa e no rádio sobre nossas celebrações centrais do aniversário. Por exemplo, na primavera, a Sky Television transmitiu cinco documentários sobre a Maçonaria. Trabalhamos com os cineastas para isso, embora não exerçamos controle editorial. No entanto, estamos muito satisfeitos com os resultados e os filmes, o que deu à Sky algumas avaliações altas na área documental. Se você ainda não teve a oportunidade de assistir a esses filmes, agora pode comprá-los como DVDs com material extra.

Como a mais antiga Grande Loja, a Inglesa recebeu a tarefa de supervisionar a regularidade da Maçonaria. Como os Irmãos aqui reunidos sabem, existem, além dos reconhecidos por nós, muitos outros grupos que se chamam Grandes Lojas ou Grandes Orientes, que não reconhecemos porque não se comprometeram com os princípios fundamentais da Maçonaria. Eles são ativos na política ou no anticlericalismo ou, em alguns casos, são apenas páginas da web, que tomam o dinheiro dos visitantes que neles acreditam.

Relações Externas na Maçonaria é uma questão complexa, mas onde a Maçonaria Regular existe, acreditamos que ela deve ser apoiada e guiada. De tempos em tempos, somos acusados ​​de trabalhar muito devagar no reconhecimento de novas Grandes Lojas, mas acreditamos firmemente que nossa tarefa tradicional é permitir que sejamos conscientes.

Nós nos regozijamos com o renascimento da Maçonaria nas nações do Báltico desde a queda da Cortina de Ferro. Nós também consideramos a Maçonaria como forte no resto da Europa, mas seu crescimento está estagnando. Infelizmente, a Maçonaria no mundo de língua inglesa (GB, América do Norte, Australásia e África do Sul) registou um declínio nos números de membros nos últimos 30 anos. Há várias razões para isso, algumas são internas e outras são baseadas em mudanças sociais. Na Inglaterra, fizemos um grande esforço para combater o problema da diminuição do número de novos membros. Acreditamos que podemos registrar alguns sucessos nisso.

Provavelmente existe um grande interesse entre os homens jovens de mais assistência moral e um centro silencioso no mundo em mudança acelerada. Assim, com algum sucesso, usamos nossas páginas na Internet e nossa mídia eletrônica como ferramentas para recrutar jovens entre 20 e 30 anos. Além disso, abrimos Lojas universitárias através das quais 63 recém-abertas já conseguiram admitir novos membros através das universidades locais.

Muitas vezes foi sugerido que teríamos que mudar radicalmente para modernizar a Maçonaria. Um dos nossos notáveis ​​historiadores maçons descobriu em suas pesquisas que a Maçonaria inglesa sempre se adaptou às condições sociais dos respectivos tempos. Essa mudança às vezes não era perceptível e às vezes por um planejamento exato. No entanto, a qualquer momento, ocorria apenas na forma externa da Maçonaria e nunca em seus princípios fundamentais.

É nossa profunda convicção de que a capacidade de mudar, sem mudar a verdadeira natureza da Maçonaria, é uma das nossas maiores forças e que se continuarmos a dominar este difícil equilíbrio, a Maçonaria sobreviverá. Então, as futuras gerações de maçons viverão a Maçonaria exatamente como fazemos e como os nossos antecessores fizeram nos últimos 300 anos.

No âmbito do nosso trabalho com a imprensa, muitas vezes nos perguntaram nos últimos trinta anos ou mais, se a Maçonaria ainda é importante na Sociedade moderna. Nossa resposta foi sempre um decidido sim. Em um mundo sujeito a mudanças constantes e caracterizado por interesse próprio, em que velhas certezas parecem desaparecer, em que o indivíduo tem o privilégio de comunhão, e a moral pública e privada está sofrendo um declínio, a Maçonaria mantém seus altos padrões éticos, sua base de valor e seu compromisso com aqueles que precisam de assistência.

Acreditamos firmemente que não é a própria Maçonaria que tem influência na Sociedade, mas, sim, o maçom como indivíduo que inspira sua vida nos princípios e valores fundamentais da Maçonaria em seus círculos privados e públicos.

Nossa Grande Loja está passando por um grande ano jubilar. Não seria uma ideia emocionante dar boas-vindas a alguns dos Irmãos, que naquela época se juntaram em 24 de junho de 1717 para celebrar esta Grande Loja no Royal Albert Hall? Em seus sonhos mais loucos, eles não poderiam ter imaginado o que surgiria desta base. Os cerca de cem Irmãos das quatro Lojas fundadoras cresceram para mais de 200 mil membros na Grande Loja Unida da Inglaterra em cerca de 8 mil Lojas.

Desde este pequeno começo em Londres em 1717, a Maçonaria tornou-se uma força mundial com quase cinco milhões de Irmãos. Esta é realmente uma ocasião para comemorar! Agradecemos, ao Grão-Mestre e às Grandes Lojas Unidas da Alemanha por ter compartilhado esse ponto de vista e nos permitindo participar da cerimônia de hoje “.

 

Tradução livre do Ir. Rui Jung Neto, em 24/09/2017

“Aprendendo, ensinarás. Ensinando, aprenderás”.

Colégio de Estudos do Rito Schröder Ir. Gouveia – Colegiado Diretor – fundado em 26 de maio de 1997

www.colegioschroder.org.br

Fonte: https://www.afuamvd.de/ansprache-von-peter-lowndes-in-hannover/

 

No comments

leave a comment