O laço místico e a ciência das cordas e nós

O laço místico é uma simbologia pouco abordada nas instruções da Maçonaria brasileira.

Os nós são mais numerosos que as estrelas; e igualmente misteriosos e
belos … John Turner (1988)

A importância das cordas na vida da humanidade é imenso. Todas as civilizações dependiam delas para sua segurança, e para muitas outras atividades e usos que contribuíram para o seu bem-estar. Essas atividades vão desde a construção de casas, pontes e barcos até a tecelagem; da construção de nós de pesca e redes de sistemas de manutenção de registros; de confecção de artigos de vestuário até tecidos decorativos, tranças de bolsas, cintos e tapeçarias.

Durante grande parte da história da humanidade, os nós e o conhecimento dos nós estavam intimamente ligados com magia, medicina e crenças religiosas. Os nós serviram como bases para sistemas matemáticos (pelos maias, por exemplo), antes de escrever habilidades eram acessível; e, claro, jogos de corda e outros usos recreativos foram e são legião. Todas essas atividades foram praticadas desde tempos imemoriais, em um forma ou outra, e por todas as raças.

Os nós estão presentes nas cultura Inuíte , Egípcia, Inca, Maia, Hindu, Nórdica e Oriental, na medieval nos antigos canteiros foram elementares na arte da construção assim como na construção do Tabernáculo.

Os nós chineses são mais antigos do que aparentam ser. Historiadores dizem que esta típica forma de arte chinesa apareceu durante as dinastias Tang e Song (960-1229 A.D.), tendo se tornado popular nas dinastias Ming e Qing (1368-1911 A.D). No entanto, pesquisas arqueológicas mostram a existência de nós em períodos muito mais antigos, que remontam à época dos Estados Combatentes (481-221 A.C.), quando a China ainda não estava unificada.

De fato, desde a antiguidade, a arte de dar nós foi uma das habilidades básicas mais necessárias para a sobrevivência do homem. Sem ela, não seria possível unir duas ou mais coisas para inventar as mais variadas formas de ferramentas para caçar e pescar, como arcos, flechas e redes; e de instrumentos agrícolas, como enxadas e pás, através da fixação de pedras em varas de madeira; o que levou, posteriormente, à construção de abrigos, utilizando cordas para unir os materiais.

A Guilda dos Cordoeiros, corporação dos trabalhadores que faziam cordas navais e comuns é tão ou mais antiga que a dos construtores.

 

Por fim, a arte dos nós encontrou o seu uso na decoração e em rituais, estabelecendo-se como uma importante parte da cultura e da tradição chinesa.

De fato, desde a antiguidade, a arte de dar nós foi uma das habilidades básicas mais necessárias para a sobrevivência do homem. Sem ela, não seria possível unir duas ou mais coisas para inventar as mais variadas formas de ferramentas para caçar e pescar, como arcos, flechas e redes; e de instrumentos agrícolas, como enxadas e pás, através da fixação de pedras em varas de madeira; o que levou, posteriormente, à construção de abrigos, utilizando cordas para unir os materiais.

Por fim, a arte dos nós encontrou o seu uso na decoração e em rituais, estabelecendo-se como uma importante parte da cultura e da tradição chinesa.

A corda está presente há milênios em rituais de magia de diferentes culturas. A magia dos nós na corda pode unir ou desunir, proteger contra espíritos maléficos, ou controlar as forças da natureza. Na cultura Nórdica, por exemplo, os nós nas cordas são usados de modo ritual para controlar a força dos ventos.

Os antigos chineses passaram a utilizar as técnicas de amarrar e dar nós para recordar eventos com cordas. Nos comentários do I Ching feitos por Zheng Xuan, consta que “nos tempos pré-históricos, os eventos eram recordados pela amarração de nós; posteriormente, livros foram utilizados para esses propósitos”. No século II, o estudioso Han, Zhen Suen, escreveu em seu livro, Yi Zu: “Os grandes eventos eram lembrados por nós complicados, e os pequenos eventos, por nós simples”.

O capítulo 81( curiosamente 81) das Crônicas de Tsui também lembram que antigamente “não havia escrita, então tinha que se gravar a madeira ou amarrar cordas”. Além disso, o capítulo “tufan”, do livro Xin Tang Shu (As Novas Crônicas de Tang), nos diz que, devido à falta da escrita, os antigos chineses amarravam cordas para fazer acordos.

Esse nó considerado um dos 8 símbolos auspiciosos tibetanos budistas – que reflete a filosofia de que não há começo nem fim e que a existência é um ciclo de nascimento e renascimento. O “nó” ainda lembra o entrelaçamento dos seres por meio do amor e uma longa vida sem doenças ou sofrimentos.

No Japão, a tradição de amarração é bem conhecida e permanece muito viva, especialmente em costumes de casamento, presentes e embrulhos, ocasiões festivas, contextos rituais de santuários e templos, práticas agrícolas.

A forma mais conhecida de knotwork japonês pode muito bem ser o mizuhiki que é mais frequentemente visto acompanhando o convite de casamento.

Mizuhiki é uma antiga forma de arte japonesa que usa um cordão especial. O cordão é criado a partir de papel de arroz, que está bem enrolado, engomado para dar rigidez e depois colorido. As formas de colorir incluem Mylar de cores vivas (um plástico muito fino), finos fios de seda ou simplesmente pintados. A forma de arte foi usada para amarrar o cabelo do samurai.

Ferramentas de trabalho de um Cordoeiro

Atualmente existem várias formas. A decoração tradicional, dada em ocasiões japonesas, como casamentos, nascimentos e funerais, toma a forma de animais ou barcos. A maneira tradicional como a arte é feita é decorar cartões com pequenos nós coloridos, da mesma forma que as pessoas das culturas ocidentais usam uma fita e um arco. Um terceiro caminho está sendo desenvolvido, que usa a arte antiga para um propósito mais moderno, a joalheria.

É popularmente transmitido que a história da tradição de amarração mizuhiki começou assim: Em 607 dC, um delegado japonês retornou da China com um presente para o imperador japonês. O presente foi decorado com um nó de fio vermelho e branco, simbolizando a “viagem segura” para o delegado. Os japoneses começaram a recriar o nó do washi, iniciando a tradição de apresentar uma caixa de presente com um fio ou um nó de Mizuhiki.

As escrituras citam o “Cordão de 3 dobras” : “Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa”. Eclesiastes 4;12

A cultura popular denomina de “amarração” certas práticas ritualísticas buscando resultados conjugais.

Desde a antiguidade precoce, cordas com nós têm sido utilizadas para fins mágicos; fins principalmente associados com a capacidade de amarração dos nós. Com relação a isso, os nós eram vistos como se tivessem o poder de ligar ou armazenar feitiços e encantamentos, até que eles fossem lançados através do ato de desamarrá-los. Um exemplo inclui o mágico “nó de vento” usado por marinheiros [IX]. Nós de vento eram normalmente amarrados em grupos de três e eram usados para ligar ventos que mais tarde poderiam ser chamados quando necessário. Soltando o primeiro nó, acreditavam, ativava-se uma brisa moderada, soltando o segundo, uma brisa forte e soltando o terceiro nó causava-se um vento forte. Outros diversos usos citados do nó mágico incluem a cura da febre, alívio de doenças da virilha, prevenção da escarlatina e manter uma pessoa fora de perigo.

Por causa de sua associação com a amarração, os nós eram muitas vezes vistos como restringindo, impedindo ou limitando certos eventos, tais como nascimento, casamento e morte. Está registrado [X] que em 1705, duas pessoas foram condenadas à morte na Escócia por roubar nós encantados que foram posteriormente utilizados para interferir com o casamento de Spalding de Ashintilly. Em 1718, o Parlamento de Bordeaux condenou uma pessoa à morte na fogueira por ter espalhado desolação em uma família inteira pelo uso de cordas de nós. Magia do nó também era usada para outros fins maléficos, tais como causar impotência em homens, ou para evitar sub-repticiamente uma gravidez desejada.

Na tradição da religião do Islã, há uma história que o Profeta foi enfeitiçado e ficou muito doente por um homem, cujas filhas amarraram um feitiço em um cabo usando 11 nós. Deus enviou Arcanjo Gabriel ao Profeta [XI] carregando dois Capítulos contendo 11 versos e revelou onde o Profeta poderia encontrar a corda. O Profeta recitou os 11 versos a dois Capítulos sobre os nós e ao final de cada recitação um nó era desatado por forças desconhecidas. Assim que todos os onze nós foram desatados, o Profeta foi curado de seu feitiço. Amarrar nó mágico no Islã é uma ofensa grave. Mesmo no Cristianismo, sacerdotes e ministros usam colares, mas evitam laços, uma tradição baseada ostensivamente na aversão ao Nó Mágico. Na religião Hebraica [XII] o “tallith”, ou xale de oração contém oito borlas, cada uma delas amarrada com cinco nós. Usando o sistema da Kabala Gematria, 8 + 5 soma 13; o valor numérico Gematria da palavra “tzitzit”, que é o termo coletivo para as oito borlas é 600. A soma de 13 + 600 é 613, o número total de preceitos na Torá. Quase todas as principais religiões do mundo podem mostrar ter práticas ou tradições relacionadas de alguma forma ao nó mágico.

O nó de amor, nó de Hércules, nó infinito ou Nó em Oito é descrito [XIII] como um nó contínuo, tendo a forma de um oito que se originou de um encanto de cura no antigo Egito. É bem conhecido por sua utilização em Roma e Grécia antiga como um amuleto de proteção ou como um símbolo do casamento. Outras fontes identificam o Nó do Amor como uma adaptação de um dos oito símbolos budistas tendo origem no Tibete.

Já na Maçonaria, representada pela alegoria da Corda de 81 nós, é chamada em alemão de “die Schnur von starken Faden,” ou a “corda de fios fortes” e a definem como uma borda ao redor do painel da loja de Aprendiz, consistindo em uma corda amarrado com nós do amor, com duas borlas presas às extremidades.

Albert Pike também fez alusão com a cadeia de União:

“o intelecto de um homem é tudo o que tem, recebido direto de Deus, um feudo inalienável… se o fluxo é apenas brilhante e forte, ele varrerá como uma maré de Primavera até o coração popular. Não apenas em palavras, mas em ato intelectual reside o fascínio. É a homenagem ao invisível. Este poder, atado com amor é a corrente dourada deixada cai no poço da verdade, ou a cadeia invisível que une as fileiras da humanidade.

Porém entre os diversos e interessantes tipos e suas respectivas simbologias de nós, devemos nos atentar a um tipo de nó. :

O Pan Chang – também chamado de “Nó Místico”, este tipo de nó é considerado um dos oito tesouros de Buda. Seu padrão sem fim representa o ciclo natural da existência, simbolizando o nascimento e a morte, indicando que a vida pode existir para sempre. Além disso, como a palavra chinesa para nó compartilha a mesma pronúncia da palavra felicidade, estive tipo de nó também representa a “felicidade infinita”. É costume utilizá-lo para amarrar as três moedas chinesas e pendurá-lo em casa.

 

Abaixo uma tradução nossa do texto “The Mystic Tie” O Laço Místico da Loja inglesa, Stirling Royal Arch.

“Adeus! Um coração-caloroso, adeus afeiçoado!
Caros irmãos do laço místico
Vós favoreci- vos, vós iluminados poucos
Companheiros da minha alegria social!”

O verso imortal de Robert Burns, escrito em sua despedida de seus irmãos de St. James Lodge, em Tarbolton, na Escócia, primeiro popularizou, se não se originou, as três palavras agora universalmente reconhecido por todos os francófonos maçons como expressando a própria essência de A Fraternidade.

Mas reconhecer é uma coisa; Definir é outra bem diferente, como qualquer homem pode descobrir quem tenta descrever um perfume, um pôr-do-sol, uma sinfonia, para que outro possa cheirar, ver, ouvir com o orador.

Que é o laço místico? É uma obrigação, tomada diante de um altar? É uma Aliança, estabelecida entre um homem e um homem, diante de Deus e de seus semelhantes? É uma coisa que se pode segurar em sua mão e ver com seu olho? É uma questão daquela terra da vida interior, na qual um homem pensa os pensamentos que nunca diz e aprende as verdades que não pode ensinar?

Para cada homem, mesmo o mais extrovertido e óbvio, vem às vezes uma experiência espiritual. Língua amarrada na garganta de emoção, poucas frases. Mas acontece; E ninguém que lê estas palavras toscas ira admiti-lo para si mesmo, pelo menos, não importa quão vociferadamente ele nega em voz alta.

Vem de tantas maneiras como são os homens a quem vem. Um homem está diante de uma montanha poderosa – seus olhos seguem sua firmeza rochosa para cima, para cima, até onde austeros viram dentes de pedra cortados no azul. Algo no poder, na majestade, no distanciamento, na dignidade, na intemporalidade da massa passa de pedra para coração e canta nela uma harmonia que nunca acaba de morrer.

Outro cultiva um jardim de rosas e, na pura beleza da flor que brota sob suas mãos ministradoras, vê uma visão não da terra, terrena. Um terceiro se ajoelha na catedral e, como o diafragma mais profundo do órgão soa uma nota tão baixa que quase não é ouvida, tão profunda nada mais pode ser ouvido, e um eixo ou a luz do sol golpeia através de vitrais para escolher um pouco de escultura de pedra, sente-se Perto das verdades eternas.

E outros sentam-se em uma Loja; Um familiar cotidiano, fato ordinário da experiência da fraternidade. Eles ouvem rituais familiares; Eles vêem rostos conhecidos; Eles se envolvem em ações familiares. Não há elemento de surpresa, drama ou grande evento, mas há algo presente que não se encontra em nenhum outro lugar; Algo que os homens vêm, e vêm, e vêm novamente, muitas vezes todas as suas vidas, para obter. .

Tão ilusório como uma meia memória ou infância, tão difícil de capturar como um raio de sol, tão intangível como a sugestão de primavera que coloca as aves para voar para o norte, é tão forte como o aço, tão permanente como a terra, tão certo e confiável Como gravidade.

O irmão Arthur F. Powell chega tão perto quanto pode ser de dizer o que não é dito;

“Que corda é que puxa nossos corações, tensa quando tantos fios são quebrados nos modos ásperos do mundo?” ele pergunta. E depois responde: “Pergunte o que é que na natureza, que chama as pequenas coisas selvagens, que coisas sagradas e secretas fazem as montanhas sussurrando aos montanheses, tão silenciosamente, mas com tanta certeza, que podem ser ouvidas acima do estrondo e do estrondo do mundo? Que mistério o mar diz ao marinheiro, o deserto ao árabe, o gelo ártico ao explorador, as estrelas ao astrônomo? Quando tivermos respondido a estas perguntas, talvez possamos adivinhar a magia da Maçonaria. Quem sabe o que é Ou como ou porquê, a menos que seja o longo toque de Deus correndo de coração para coração? “

Aprendemos na escola que um todo é a soma de todas as suas partes. Se, então, poderíamos listar todas as partes que compõem o laço místico, sua soma deve ser a definição do todo. Mas não é. Em primeiro lugar, não podemos “listar todas as partes”, uma vez que a lista de um homem e a de seu irmão diferem mesmo que o nosso irmão difere do nosso. E em segundo lugar e finalmente. Um todo que é a soma de todas as suas partes é material – e o laço místico não é feito de matéria.

Todos temos o mesmo número de letras no alfabeto: todos nós temos acesso ao dicionário que contém todas as palavras na língua – mas não sabemos como tomar estas e escrever um Salmo de Davi, ou Sermão da Montanha . Têm os tijolos e a pedra e podem até possuir o plano – mas a argamassa do espírito para construí-los em algo imortal – que nos escapa.

Músicos modernos têm mais notas para a escala do que eram conhecidos por Brahms e Beethoven e mais cordas e latão e sopro de madeira para soar – mas quem escreve sinfonias como o Mestre escreveu?

Ainda assim, podemos tentar. Sabendo antecipadamente que devemos falhar.

O ritual é uma parte do laço místico. Como ou por que o homem deve fazer rituais e aprendê-los, amá-los, preservá-los, é tão misterioso quanto qualquer coisa na vida – mas sempre foi assim.

Há algo profundo dentro de nós que exige uma forma definida de expressão: podemos dizer o pensamento de mil maneiras, mas nós o dizemos em uníssono e de uma maneira especial. E isto é verdade seja a Maçonaria, a Igreja ou a vida cotidiana que é preenchida com um ritual.”

Bibliografia:

http://www.southernropes.co.za/catalogue/history_of_ropes.html

A História e Ciência das Cordas – John Tuner

https://books.google.com.br/books?id=-3804Ud9-4IC&pg=PA215&lpg=PA215&dq=knot+symbology&source=bl&ots=FSDCSXJdFy&sig=cHv_G3YUBhMpcgThSWKsFzjaElk&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwjltJHfn8_cAhWEiZAKHdSRCzg4ChDoATABegQICBAB#v=onepage&q=knot%20symbology&f=false

 

Fonte: http://www.irmaosdaordem.com.br/o-laco-mistico-e-a-ciencia-das-cordas-e-nos/

Deixe uma resposta